Então, vamos falar nest post tudo sobre o PIS/PASEP e COFINS.

O que é PIS/PASEP? Quem tem direito à receber o dinheiro?

Essa pergunta é fácil de responder, PIS é um abono salarial para os trabalhadores da inicitiva privata e PASEP para os servidores públicos.

Para ter direito a receber o dinheiro do PIS/PASEP, é necessário que você tenha trabalhado pelo menos 30 dias com carteira assinada no ano base (2007), e estar cadastrado a pelo menos 5 anos no Fundo de Participação PIS/Pasep ou no Cadastro Nacional do Trabalhador, e a última exigência é ter recebido 2 salários mínimos mensal durante o período.

Como receber o abano salarial PIS/Pasep? Como sacar o dinheiro do PIS/Pasep?

Está também é fácil! Basta ir a uma Caixa Econômica Federal (CEF), com seus documentos: comprovante de inscrição no PIS-Pasep e Carteira de Trabalho e Previdência Social. Mas antes, consulte se você tem direito ao abono salarial.

Outras dúvidas frequentes:

Como saber se tenho direito ao dinheiro do PIS/Pasep?
Como saber o meu número do PIS/Pasep?
Como saber, quanto dinheiro (saldo) eu tenho para receber (retirar) do PIS/Pasep (2005, 2006, 2007, 2008, 2009)?

Estas, podem ser esclarecidas através dos telefones:

PIS
0800 285 0101 – Sudeste, Nordeste e Norte
0800 61 0101 – Sul e Centro-Oeste

Pasep
4004-0001 (capitais e regiões metropolitanas)
0800 729 0001 (demais regiões)

Quer saber quando você irá receber o PIS/Pasep? Se você, já tem o número do PIS/Pasep, basta consultar a tabela de pagamento abaixo. A consulta é simples, veja:

pispasep

Você, também pode consultar o PIS/Pasep pela internet (online), no site da Caixa Econômica Federal, basta acessar o site com o seu número de Identificação Social – NIS e depois do cadastramento, você terá acesso as informações do PIS e abono salarial.

Ficou faltando falar um pouco sobre o COFINS, veja o que o Wikipédia diz:

A Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (COFINS) é uma contribuição federal, de natureza tributária, incidente sobre a receita bruta das empresas em geral, destinada a financiar a seguridade social. Sua alíquota é de 7,6% para as empresas tributadas pelo lucro real (sistemática da não-cumulatividade) e de 3,0% para as demais. Tem por base de cálculo:

O faturamento mensal (receita bruta da venda de bens e serviços), ou

O total das receitas da pessoa jurídica.

O termo “seguridade social” deve ser entendido dentro do capítulo próprio da Constituição Federal de 1988, e abrange a previdência social, a saúde e a assistência social.